Pular para o conteúdo principal

Uma aventura de Pedro Malasartes

PEDRO BELASARTES
 
Quando Pedro Malasartes chegou à cidade de Batequeixo, que tinha a fama de ser o lugar mais frio do país, a geada havia espalhado pelo chão um tapete alvíssimo. O frio era muito forte e um vento cortante atirava cristaizinhos de gelo contra as paredes e o rosto do viajante.
Pedro caminhava com atenção, procurando chegar à praça principal onde, certamente, encontraria quem lhe indicasse lugar onde dormir, depois de tomar uma sopa bem quente. Em certo momento, pareceu-lhe ouvir, através do vento, um gemido fraco, de criança. Parou, apurou os ouvidos, mas por fim continuou a andar, pensando:
- Bobagem! Deve ter sido uma janela rangendo!
Mal havia dado alguns passos, ouviu de novo o gemido, agora muito distinto. Caminhou decididamente na direção dele e, surpreso, descobriu uma meninazinha triritante, quase morta de frio. Com isso o que se esquentou num momento foi o coração de Pedro.
- Que faz a estas horas e neste lugar? Por que não foi para casa? Está perdida, pobrezinha? Diga-me onde mora e a levarei lá!
- Meu bom senhor, respondeu a meninazinha, bem que gostaria de ir para casa, mas sozinha não posso nem quero ir.
- Quer dizer que está acompanhada? E quem é esse companheiro?... Não vejo!
- É Piloto, o meu cão! O pobrezinho entrou neste jardim à procura de um osso - e isso já faz muito tempo-  e não pôde mais sair porque logo fecharam o portão. Está preso com as patinhas debaixo da grade. Por ele é que eu soluçava, e não por mim! Faz tanto frio e cai tanta neve que, se o abandonasse, morreria por certo. Sentei-me e com o avental e as mãos, procuro aquecer o nariz do coitadinho. Pobre Piloto! Seu focinho está como sorvete! Procuramos nos aquecer os dois até que termine a noite e o jardineiro venha abrir o portão.
- Mas você não bateu, chamando alguém?
- Ah, bem que chamei e bati várias vezes! Mas ainda que alguém ouvisse, quem é que vai saltar da cama com um tempo assim, para salvar o cão de uma menina pobre? Teremos que esperar pelo amanhecer, se até então não estivermos mortos. Piloto e eu!
- Isso é que não! - gritou resoluto nosso herói. Não é à toa que sou Pedro Malasartes. Pois desta vez, quem está aqui é Pedro Belasartes! Eles não querem levantar-se para atender a uma pobre meninazinha e salvar um cão, não é assim?! Pois você vai ver, amiguinha, como sem mover os pés deste lugar, porei todo o quarteirão nas janelas. A quem não se move com a bondade toca-se com o interesse.
Dasabotoou o casaco, levou as mãos à boca e começou a gritar tal qual um desesperado:
- Socorro! Incêndio! Socorro! Incêndio! INCÊNDIO!
Esperou um segundo. Parecia até que o vento deixara de soprar ao ouvir o terrível aviso.
- INCÊNDIO, SOCORRO! - gritou novamente.
Não foi preciso mais:  num minuto, duas cinco, dez, vinte janelas se iluminaram, se abriram e deram passagem a rostos envolvidos em grossos cobertores, alarmados, perguntando:
- Onde é o fogo? Que é que está queimando?
Pedro pulava e gritava:
- Aqui! Ali! Desçam, está tudo queimando!
A gente das janelas, despertada no melhor do sono, não pensava em outra coisa que não fosse combater o fogo, pois bem poderia ser que as chamas estivessem no porão da casa de cada um. Os homens corriam de um lado para outro, abrindo portas e portões.
Quando se abriu o portão junto ao qual estavam a meninazinha e seu cão, Pedro agarrou-a pela mão, ela agarrou a coleira do cachorro, e, no meio da confusão, saíram os três a correr. Enquanto isso, os homens perguntavam em altas vozes:
- Mas afinal, onde é esse fogo? Quem deu o alarme?
Voltando o rosto na direção deles e ajudado pelo vento que soprava contra os dorminhocos logrados, o que lhe aumentava a voz enormemente, Pedro gritou:
- O incêndio é no inferno e está à espera de todos os egoístas que não se comovem com o sofrimento alheio!
Depois de deixar a menina em casa dela e muito contente por ter o cão ao lado, Pedro saiu cautelosamente da cidade, naturalmente receoso de um encontro com os furiosos cidadãos que andavam à procura de quem os havia tirado do melhor do sono com um falso alarme.
 
Esta é uma das muitas histórias de Pedro Malasartes, e está no livro "Novas aventuras de Pedro Malasartes", de Hernani Donato
 

Comentários

Postar um comentário

Agradecemos seu comentário. Após moderação será publicado.

Postagens mais visitadas deste blog

História - DONA BARATINHA

Era uma vez uma baratinha que estava varrendo a casa e encontrou uma moeda. Achou que estava rica e já podia se casar. Arrumou-se toda, colocou uma fita no cabelo e foi para a janela. A quem pass ava ela perguntava: - Quem quer casar com a Dona Baratinha que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha? O primeiro bicho que passou foi o boi, que respondeu: - EU QUERO! Dona Baratinha perguntou: - E como é que você faz de noite? O boi respondeu: - MUUUUUUUU! Ela disse: - Ai não, muito barulho, assim eu não durmo, pode ir embora. E o boi foi embora. Em seguida veio passando o cavalo e Dona Baratinha perguntou: - Quem quer casar com Dona Baratinha que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha? O cavalo respondeu: - EU QUERO! Dona Baratinha perguntou: - E como é que você faz de noite? O cavalo respondeu: - IIIIIIIRRRRRIIIIII! Ela disse: - Ai não, muito barulho, assim eu não durmo, pode ir embora. E o cavalo foi embora. Foi passando então o carneiro e Dona Baratinha

História - RAPUNZEL- Irmãos Grimm

Era uma vez um casal que desejava muito ter um filho. O tempo passava e mesmo após anos estando juntos a mulher não engravidava. Até que um dia ela ficou muito feliz ao notar que estava tendo estranhos e diferentes desejos. Finalmente estava esperando um bebê! O marido passou a receber pedidos no meio da madrugada e sempre os atendia, até o dia em que a mulher pediu para comer rapunzel. Naquele lugar onde moravam, as pessoas plantavam hortas em casa e havia uma verdura difícil de ser cultivada, chamada rapunzel. A única horta onde era possível encontrar rapunzel era na casa de uma vizinha do casal, uma mulher muito mau encarada, misteriosa, que só saia de noite. Todos diziam que ela era uma bruxa. A mulher viu a horta da bruxa pela sua pequena janela e desde então só pensava em comer rapunzel. Quando o marido ouviu o pedido da esposa, respondeu que seria melhor ela ter outro desejo, porque este ele não podia atender. Pedir a verdura para aquela bruxa era muito perigoso.

História - ASTÚCIAS DO JABUTI

No tempo em que os animais falavam, estava um dia o jabuti limpando tranquilamente sua flauta. A onça saiu à caça e ia andando bem devagar ... uma pata aqui, outra ali ...  O vento trouxe um cheiro de capivara. A onça ergueu o nariz... - Huuummm... Hummmm... - mas logo o vento passou e levou embora o cheiro bom de caça. Ela continuou caminhando. De repente ouviu: - Fim... Fim... finfinfim... A onça parou . Ergueu as orelhas... "Que será isso? Parece que alguém está tocando flauta..." A seguir, ouviu cantar: - Do osso da onça fiz minha flauta... Fim..Fim... finfinfim... Quem se atreveria a cantar daquela maneira? Era provocação! A onça foi à procura de quem cantava e alguns metros adiante deu com o jabuti tocando uma flauta de osso: - Fim... Fim... finfinfim... Para não assustar o jabuti, a onça aproximou-se mansamente e falou: - Como você toca bem! Como era mesmo a letra da cantiga? O jabuti percebeu que a onça ouvira as palavras da música e só que

A Festa no céu

Num tempo em que os animais falavam, correu uma notícia entre os bichos de que ia acontecer uma Festa no Céu! Toda a bicharada ficou animada! Festa!? Oba! Que beleza! E no céu ainda! Ah! Todos queriam ir é claro! Mas, no meio daquele falatório todo, apareceu um beija-flor com uma novidade: - Só poderia ir na festa, bicho que soubesse voar! - O quê? - falou o macaco - Como assim? - resmungou a raposa E todos os que não sabiam voar ficaram muito zangados e chateados... Menos o sapo. É que o sapo já tinha tido uma bela idéia para conseguir chegar à festa: O urubu era o músico do pedaço. Não sabia cantar mas tocava uma viola como ninguém! Pois bem, no dia da festa, o sapo, aproveitando um momento de distração do urubu, entrou pelo buraco e se escondeu dentro da sua viola. O urubu passou a mão na viola e foi voando pra tão esperada noite! Chegando lá, colocou a viola num canto e foi cumprimentar os amigos, tomar uma bebida antes de começar a tocar. Nesta ho

História - O URUBU E A RAPOSA

O Urubu estava no ar, peneirando, e avistou uma carniça de boi. Imediatamente, desceu e começou a saborear aquele petisco delicioso. No mesmo instante, desabou uma pesada chuva que deixou o urubu todo ensopado, e com as asas encharcadas, não podia mais voar. A raposa, que estava por ali à espreita, aproximou-se dele dizendo: - Amigo urubu, vou lhe comer! Vendo-se perdido, o urubu tinha de ser mais esperto que a raposa. Então, fez a seguinte proposta: - Amiga raposa, você não sabe que urubu molhado faz mal? Você tem que me soprar até me deixar sequinho; só então poderá me comer. A raposa acreditou! E começou a soprar as penas do urubu; e soprou e soprou por mais de uma hora. Quando parava para recuperar o fôlego, perguntava: - Já está seco, compadre urubu? - Ainda não, amiga raposa. Sopre mais um pouco. A raposa recomeçou a soprar, sempre repetindo a mesma pergunta e ouvindo a mesma resposta. Quando o urubu pressentiu que poderia escapar, correu começou a bate