Pular para o conteúdo principal

Quem somos



Monalisa Lins




Mini Bio

Monalisa Lins, como já dizia Manoel de Barros, não é da gramática, é da invencionática! Artista da palavra como gosta de se apresentar, é Narradora de histórias, artista educadora, fotógrafa, e pesquisadora de literatura infantil e tradição oral. Participou de diversos eventos e encontros de contadores de histórias no Brasil e de oficinas com contadores de diferentes lugares do mundo. É fundadora do grupo Histórias em Movimento, que, desde 2012, leva contos, brincadeiras populares e literatura às pessoas, atuando em equipamentos culturais, bibliotecas, escolas, hospitais, parques e praças, sempre com o objetivo de contribuir com a democratização do acesso à cultura e possibilitar o desenvolvimento do ser humano em seus aspectos emocionais e afetivos. Desde 2015 faz parte do LAB ARTE – Laboratório Experimental de Artes da FEUSP onde foi coordenadora do núcleo Narração de histórias até 2021.
Atua como formadora de docentes na arte de contar histórias ministrando oficinas e cursos. 

Em sua trajetória, já realizou atividades em locais como CCSP - Centro Cultural São Paulo- SESI – SP, SESC-SP, Goethe Institut, Biblioteca de São Paulo, Biblioteca Villa-Lobos, Centro Cultural da Juventude, Escolas, Livrarias, LAB Arte- FE-USP, SINPEEM, Casas de Cultura e PIÁ- Programa de Iniciação artística da SMC-SP. 


Evelson de Freitas

Mino Bio

Evelson de Freitas é narrador de histórias, músico, percussionista, fotógrafo e mágico.
Formado em jornalismo pela PUC-SP, trabalhou como fotógrafo nos maiores jornais do país.
Em 2012 criou, juntamente com Monalisa Lins, o grupo Histórias em Movimento. 
Desenvolve trabalho de pesquisa no campo da mágica, a fim de elaborar repertório onde contos orais são narrados ao mesmo tempo em que mágicas são apresentadas diante do público, num entrelaçamento entre a magia do conto e a magia do ilusionismo.
Participou de diversas oficinas com artistas desta arte e vem realizando atividades nos mesmo locais acima mencionados, com ênfase neste seu diferencial artístico.





Comentários

Postar um comentário

Agradecemos seu comentário. Após moderação será publicado.

Postagens mais visitadas deste blog

História - DONA BARATINHA

Era uma vez uma baratinha que estava varrendo a casa e encontrou uma moeda. Achou que estava rica e já podia se casar. Arrumou-se toda, colocou uma fita no cabelo e foi para a janela. A quem pass ava ela perguntava: - Quem quer casar com a Dona Baratinha que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha? O primeiro bicho que passou foi o boi, que respondeu: - EU QUERO! Dona Baratinha perguntou: - E como é que você faz de noite? O boi respondeu: - MUUUUUUUU! Ela disse: - Ai não, muito barulho, assim eu não durmo, pode ir embora. E o boi foi embora. Em seguida veio passando o cavalo e Dona Baratinha perguntou: - Quem quer casar com Dona Baratinha que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha? O cavalo respondeu: - EU QUERO! Dona Baratinha perguntou: - E como é que você faz de noite? O cavalo respondeu: - IIIIIIIRRRRRIIIIII! Ela disse: - Ai não, muito barulho, assim eu não durmo, pode ir embora. E o cavalo foi embora. Foi passando então o carneiro e Dona Baratinha

Um presente para o rei

Era uma vez, um rei muito temperamental e insatisfeito. Possuía muitas riquezas e tinha como rainha uma bela esposa que o amava de verdade. Mas, mesmo nos dias mais ensolarados e belos, ele se quedava triste ou aborrecido. Irritava-se por pouco, até mesmo com o grito de uma ave ou uma nuvem mais escura no céu. Os mais belos presentes, de todas as partes do mundo eram trazidos a ele, mas nenhum deles o alegrava. Artistas de todas as artes como mímicos, palhaços, dançarinos e poetas eram convidados para entretê-lo, mas nada o satisfazia. Ninguém no reino sabia o que fazer para agrada-lo. Era muito raro, mas acontecia: algumas manhãs ele acordava se sentindo bem, disposto e alegre, mas logo este estado de ânimo desaparecia, e o rei voltava a cair na mais profunda melancolia. Assim, o que mais ele desejava era algo que o fizesse feliz ou em paz para sempre. Como fixar aqueles poucos momentos de felicidade que às vezes sentia, de modo que nunca passassem? O rei então jun

História - O URUBU E A RAPOSA

O Urubu estava no ar, peneirando, e avistou uma carniça de boi. Imediatamente, desceu e começou a saborear aquele petisco delicioso. No mesmo instante, desabou uma pesada chuva que deixou o urubu todo ensopado, e com as asas encharcadas, não podia mais voar. A raposa, que estava por ali à espreita, aproximou-se dele dizendo: - Amigo urubu, vou lhe comer! Vendo-se perdido, o urubu tinha de ser mais esperto que a raposa. Então, fez a seguinte proposta: - Amiga raposa, você não sabe que urubu molhado faz mal? Você tem que me soprar até me deixar sequinho; só então poderá me comer. A raposa acreditou! E começou a soprar as penas do urubu; e soprou e soprou por mais de uma hora. Quando parava para recuperar o fôlego, perguntava: - Já está seco, compadre urubu? - Ainda não, amiga raposa. Sopre mais um pouco. A raposa recomeçou a soprar, sempre repetindo a mesma pergunta e ouvindo a mesma resposta. Quando o urubu pressentiu que poderia escapar, correu começou a bate

A Festa no céu

Num tempo em que os animais falavam, correu uma notícia entre os bichos de que ia acontecer uma Festa no Céu! Toda a bicharada ficou animada! Festa!? Oba! Que beleza! E no céu ainda! Ah! Todos queriam ir é claro! Mas, no meio daquele falatório todo, apareceu um beija-flor com uma novidade: - Só poderia ir na festa, bicho que soubesse voar! - O quê? - falou o macaco - Como assim? - resmungou a raposa E todos os que não sabiam voar ficaram muito zangados e chateados... Menos o sapo. É que o sapo já tinha tido uma bela idéia para conseguir chegar à festa: O urubu era o músico do pedaço. Não sabia cantar mas tocava uma viola como ninguém! Pois bem, no dia da festa, o sapo, aproveitando um momento de distração do urubu, entrou pelo buraco e se escondeu dentro da sua viola. O urubu passou a mão na viola e foi voando pra tão esperada noite! Chegando lá, colocou a viola num canto e foi cumprimentar os amigos, tomar uma bebida antes de começar a tocar. Nesta ho