Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro 1, 2015

A Festa no céu

Num tempo em que os animais falavam, correu uma notícia entre os bichos de que ia acontecer uma Festa no Céu! Toda a bicharada ficou animada! Festa!? Oba! Que beleza! E no céu ainda! Ah! Todos queriam ir é claro! Mas, no meio daquele falatório todo, apareceu um beija-flor com uma novidade: - Só poderia ir na festa, bicho que soubesse voar! - O quê? - falou o macaco - Como assim? - resmungou a raposa E todos os que não sabiam voar ficaram muito zangados e chateados... Menos o sapo. É que o sapo já tinha tido uma bela idéia para conseguir chegar à festa: O urubu era o músico do pedaço. Não sabia cantar mas tocava uma viola como ninguém! Pois bem, no dia da festa, o sapo, aproveitando um momento de distração do urubu, entrou pelo buraco e se escondeu dentro da sua viola. O urubu passou a mão na viola e foi voando pra tão esperada noite! Chegando lá, colocou a viola num canto e foi cumprimentar os amigos, tomar uma bebida antes de começar a tocar. Nesta ho
Um vaga-lume , fazendo piscar sua luzinha ao anoitecer, olhou para o céu e suspirou: - Ah, que mísera criatura sou, com essa luzinha acende-apaga! Quem dera eu tivesse o brilho faiscante das estrelas! Mas, lá no céu, comentavam as estrelas : - Que majestosa é a Lua ! Brilha soberana e única, enquanto nós, pequeninas e infinitas, de tantas que somos, nos confundimos, e qualquer fiapo de nuvem apaga nosso brilho. Como seria bom ser a Lua! Sozinha no seu posto, entretanto, a Lua se lamentava: - Que injusta a Mãe Natureza! Deu a mim esta luz pálida e mortiça e ao Sol todo o brilho e esplendor! Eu é que merecia ter nascido Sol! Entretanto, chega a aurora, rompendo as brumas e trazendo o Sol, que suspirou: - Ai, que dura tarefa a minha! Ter que brilhar o dia inteiro, todos os dias, ser fonte de luz e vida para todas as criaturas! E não posso falhar! Quanto me pesa este fardo! Ah, Natureza injusta! Por que não fui nascer um simples vaga-lume ?! Conto popular encontrado na

O macaco que foi pedir sabedoria a Deus

O Macaco foi até onde estava Deus para Lhe pedir sabedoria. Deus o recebeu, ouviu sua solicitação, mas em troca pediu que o bicho Lhe trouxesse uma xícara de leite de onça e três ovos de jacaré. O macaco aceitou a proposta e foi para a mata esperar a melhor oportunidade de passar a perna na onça. Quando a bicha se aproximou, ele trepou numa árvore e começou a tirar cipó. Cismada com aquilo, a onça lhe perguntou: - Ô, amigo macaco, por que você está tirando tanto cipó? - Então a amiga onça não sabe? Está vindo uma grande tempestade de vento, e quem não se amarrar bem forte será jogado no mar. A onça, então, morta de medo, implorou: - Já que o amigo é mais jeitoso, deve me amarrar numa árvore e depois se amarrar noutra. O macaco mandou a onça levantar as patas dianteiras e amarrou com tanta força que ela mal se mexia. Em seguida, amarrou as traseiras e, sem que ela reagisse, ele tirou uma xícara de leite. Para terminar, mamou até se fartar e ainda deu uma surra n

Um presente para o rei

Era uma vez, um rei muito temperamental e insatisfeito. Possuía muitas riquezas e tinha como rainha uma bela esposa que o amava de verdade. Mas, mesmo nos dias mais ensolarados e belos, ele se quedava triste ou aborrecido. Irritava-se por pouco, até mesmo com o grito de uma ave ou uma nuvem mais escura no céu. Os mais belos presentes, de todas as partes do mundo eram trazidos a ele, mas nenhum deles o alegrava. Artistas de todas as artes como mímicos, palhaços, dançarinos e poetas eram convidados para entretê-lo, mas nada o satisfazia. Ninguém no reino sabia o que fazer para agrada-lo. Era muito raro, mas acontecia: algumas manhãs ele acordava se sentindo bem, disposto e alegre, mas logo este estado de ânimo desaparecia, e o rei voltava a cair na mais profunda melancolia. Assim, o que mais ele desejava era algo que o fizesse feliz ou em paz para sempre. Como fixar aqueles poucos momentos de felicidade que às vezes sentia, de modo que nunca passassem? O rei então jun

Dançando com o morto

Era uma vez uma mulher que tinha ficado viúva há alguns meses. E tinha achado até bom, porque já não estava lá muito contente com aquele marido. Um dia, arrumando a casa, ela encontrou um montão de notas de dinheiro que o falecido havia escondido debaixo do colchão em segredo. - Ah, desgraçaaado! Cheio do dinheiro e nós nessa pindaíba! Depois da raiva, ficou foi feliz da vida. Levou todo o dinheiro para a mesa da cozinha , chamou o filho e os dois começaram a contar juntos as notas quando, de repente, adivinhe só quem apareceu? O falecido em pessoa! Sim, ele mesmo, o marido, morto. E veio sentar-se à mesa com eles. Mas... a mulher ... não se intimidou não: - O que é que você está fazendo aqui, seu miserável?! Me dá paz! Você está morto! Trate de volta logo para debaixo da terra. - Nem pensar - disse o morto. - Estou me sentindo vivinho. A mulher mandou o filho buscar um espelho . Entregou ao morto para que ele visse a sua cara de cadáver. - É... Estou abatido. Deve se

O Jabuti e a Onça

  As crianças nos ensinam a contar histórias. Vejam a expressão no rosto, o movimento do corpo. Percebam como ela está "vendo" o que fala! Depois que crescemos, fazemos cursos para aprender a contar histórias, ou seria "reaprender"?