Pular para o conteúdo principal

Projetos Sociais


Jardim Peri Alto


Em abril de 2013, iniciamos o Projeto Social
"Histórias em Movimento - Futuro Melhor"


O nome Futuro Melhor, é como os moradores chamam esta ocupação de mais de dezessete anos no Jardim Peri Alto, zona norte de São Paulo, e coube tão bem ao propósito de nosso trabalho que parece mesmo criado por nós.
Escolhemos esta comunidade para realizar um projeto que leva Contação de Histórias, Brincadeiras Populares e Livros, para as crianças que ali moram, após detectarmos a ausência de equipamentos públicos de lazer e cultura no local. A "praça" era na verdade um chão batido, sem grama, sem sombra de árvores, com brinquedos quebrados e bem ali ao lado, é o local onde os moradores despejam o lixo doméstico.
Mas apesar de toda esta adversidade, foi este local que nos atraiu.
Queríamos contar histórias para aqueles que não frequentam os tradicionais locais onde se desenvolve este tipo de atividade na cidade, porque, antes de tudo, acreditamos na força destes elementos, histórias, brincadeiras e literatura, como criadores de oportunidades para as pessoas.
Com encontros semanais, criamos um público fiel. No segundo ano deste maravilhoso trabalho, criamos uma biblioteca circulante, que emprestava livros às crianças. Além disso, elas possuem hoje um repertório de brincadeiras populares de dar inveja a muita criança por aí. Fazendo mediação de leitura, apresentamos a elas muitos autores brasileiros e tivemos até um encontro com um ilustrador (Luciano Tasso), que foi lá, desenhar com eles!
Este projeto prosseguiu até maio de 2015, quando concluímos que já havíamos plantado as sementes necessárias àquela comunidade.
Conseguimos a reforma da praça, que hoje é a única área de lazer que possuem e está sendo muito utilizada por todos.
A comunidade recebeu ali, bem pertinho, uma unidade das Fábricas de Cultura!
Assim, encaminhamos "nossos meninos e meninas" para a biblioteca da Fábrica e mantendo um vínculo de amizade, prosseguiremos visitando-os algumas vezes por ano. A saudade é grande e quando nos encontramos é sempre uma alegria. 

E o que a gente sempre diz é: somos só duas pessoas, mas estamos conseguindo fazer algo que pode abrir oportunidades na vida de muitas crianças.
Como na história do passarinho que estava carregando água com o bico para apagar um incêndio, e os outros animais diziam que ele nunca ia conseguir, ao que ele responde:
"- Se vou apagar o fogo não sei, mas estou fazendo a minha parte."


Fotos de um dos encontros, com praça nova!













                          


                           Fotos dos Primeiros Encontros!                                                





                                           
                                                  Fotos dos encontros ao longo dos dois anos!


























Lar Vicentino

E este (abaixo) é o Lar Vicentino, em Ermelino Matarazzo, zona leste. Local onde começamos nosso trabalho como Contadores de Histórias, levando nossos filhos (veja o menino de chapéu Panamá) e onde ficamos por dois anos. Já acompanhamos a "viagem fora do combinado" de alguns queridos amigos, mas acreditamos que as histórias fizeram dos dias deles, momentos mais alegres.







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

História - DONA BARATINHA

Era uma vez uma baratinha que estava varrendo a casa e encontrou uma moeda. Achou que estava rica e já podia se casar. Arrumou-se toda, colocou uma fita no cabelo e foi para a janela. A quem pass ava ela perguntava: - Quem quer casar com a Dona Baratinha que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha? O primeiro bicho que passou foi o boi, que respondeu: - EU QUERO! Dona Baratinha perguntou: - E como é que você faz de noite? O boi respondeu: - MUUUUUUUU! Ela disse: - Ai não, muito barulho, assim eu não durmo, pode ir embora. E o boi foi embora. Em seguida veio passando o cavalo e Dona Baratinha perguntou: - Quem quer casar com Dona Baratinha que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha? O cavalo respondeu: - EU QUERO! Dona Baratinha perguntou: - E como é que você faz de noite? O cavalo respondeu: - IIIIIIIRRRRRIIIIII! Ela disse: - Ai não, muito barulho, assim eu não durmo, pode ir embora. E o cavalo foi embora. Foi passando então o carneiro e Dona Baratinha

Dançando com o morto

Era uma vez uma mulher que tinha ficado viúva há alguns meses. E tinha achado até bom, porque já não estava lá muito contente com aquele marido. Um dia, arrumando a casa, ela encontrou um montão de notas de dinheiro que o falecido havia escondido debaixo do colchão em segredo. - Ah, desgraçaaado! Cheio do dinheiro e nós nessa pindaíba! Depois da raiva, ficou foi feliz da vida. Levou todo o dinheiro para a mesa da cozinha , chamou o filho e os dois começaram a contar juntos as notas quando, de repente, adivinhe só quem apareceu? O falecido em pessoa! Sim, ele mesmo, o marido, morto. E veio sentar-se à mesa com eles. Mas... a mulher ... não se intimidou não: - O que é que você está fazendo aqui, seu miserável?! Me dá paz! Você está morto! Trate de volta logo para debaixo da terra. - Nem pensar - disse o morto. - Estou me sentindo vivinho. A mulher mandou o filho buscar um espelho . Entregou ao morto para que ele visse a sua cara de cadáver. - É... Estou abatido. Deve se

História - RAPUNZEL- Irmãos Grimm

Era uma vez um casal que desejava muito ter um filho. O tempo passava e mesmo após anos estando juntos a mulher não engravidava. Até que um dia ela ficou muito feliz ao notar que estava tendo estranhos e diferentes desejos. Finalmente estava esperando um bebê! O marido passou a receber pedidos no meio da madrugada e sempre os atendia, até o dia em que a mulher pediu para comer rapunzel. Naquele lugar onde moravam, as pessoas plantavam hortas em casa e havia uma verdura difícil de ser cultivada, chamada rapunzel. A única horta onde era possível encontrar rapunzel era na casa de uma vizinha do casal, uma mulher muito mau encarada, misteriosa, que só saia de noite. Todos diziam que ela era uma bruxa. A mulher viu a horta da bruxa pela sua pequena janela e desde então só pensava em comer rapunzel. Quando o marido ouviu o pedido da esposa, respondeu que seria melhor ela ter outro desejo, porque este ele não podia atender. Pedir a verdura para aquela bruxa era muito perigoso.

A Festa no céu

Num tempo em que os animais falavam, correu uma notícia entre os bichos de que ia acontecer uma Festa no Céu! Toda a bicharada ficou animada! Festa!? Oba! Que beleza! E no céu ainda! Ah! Todos queriam ir é claro! Mas, no meio daquele falatório todo, apareceu um beija-flor com uma novidade: - Só poderia ir na festa, bicho que soubesse voar! - O quê? - falou o macaco - Como assim? - resmungou a raposa E todos os que não sabiam voar ficaram muito zangados e chateados... Menos o sapo. É que o sapo já tinha tido uma bela idéia para conseguir chegar à festa: O urubu era o músico do pedaço. Não sabia cantar mas tocava uma viola como ninguém! Pois bem, no dia da festa, o sapo, aproveitando um momento de distração do urubu, entrou pelo buraco e se escondeu dentro da sua viola. O urubu passou a mão na viola e foi voando pra tão esperada noite! Chegando lá, colocou a viola num canto e foi cumprimentar os amigos, tomar uma bebida antes de começar a tocar. Nesta ho

História - O URUBU E A RAPOSA

O Urubu estava no ar, peneirando, e avistou uma carniça de boi. Imediatamente, desceu e começou a saborear aquele petisco delicioso. No mesmo instante, desabou uma pesada chuva que deixou o urubu todo ensopado, e com as asas encharcadas, não podia mais voar. A raposa, que estava por ali à espreita, aproximou-se dele dizendo: - Amigo urubu, vou lhe comer! Vendo-se perdido, o urubu tinha de ser mais esperto que a raposa. Então, fez a seguinte proposta: - Amiga raposa, você não sabe que urubu molhado faz mal? Você tem que me soprar até me deixar sequinho; só então poderá me comer. A raposa acreditou! E começou a soprar as penas do urubu; e soprou e soprou por mais de uma hora. Quando parava para recuperar o fôlego, perguntava: - Já está seco, compadre urubu? - Ainda não, amiga raposa. Sopre mais um pouco. A raposa recomeçou a soprar, sempre repetindo a mesma pergunta e ouvindo a mesma resposta. Quando o urubu pressentiu que poderia escapar, correu começou a bate