Pular para o conteúdo principal

História - A MOÇA DOS TRÊS MARIDOS

Era uma vez um homem que tinha uma filha muito bonita, mas de gênio forte.
Quando cresceu, a menina se transformou numa belíssima jovem. O pai compreendeu que em breve ela se casaria, pois não faltariam pretendentes.
Certo dia, três rapazes se apresentaram em sua casa, cada um mais gentil que o outro. Muito educadamente, pediram a mão da moça em casamento.
O pai, depois de conversar com os pretendentes, disse que os três lhe pareciam homens de caráter íntegro, capazes de fazer a moça feliz.
- E quem será esse felizardo? - perguntaram os rapazes.
- Isso não sou eu quem vai decidir - o homem respondeu. - Meu genro será aquele que o coração de minha filha escolher.
Assim, o homem foi consultar a moça. Falou-lhe sobre as qualidades dos três pretendentes.
A moça o ouviu com atenção. Por fim respondeu, muito tranquila, que gostaria de se casar com os três.
- Minha filha! - o homem se espantou. - Compreenda que isso é impossível. Nenhuma mulher pode ter mais que um marido.
- Pois eu escolho os três - ela respondeu sem se alterar.
- Sempre soube que você tinha um gênio forte. Sempre aceitei seu modo de ser. Mas para tudo há um limite. Agora pense bem, procure ter um mínimo de bom senso e não me dê mais dores de cabeça. Afinal, a qual dos pretendentes devo conceder sua mão?
- Aos três - a moça insistiu, com uma calma espantosa. - Preciso deles para viver.
- Você precisa é de uma boa dose de juízo, isto sim - o homem protestou, irritado.
Não havendo maneira de fazer a moça mudar de ideia, pôs-se  a meditar sobre qual seria a melhor solução para aquele problema e teve uma ideia: pediu aos três rapazes que saíssem pelo mundo em busca de uma raridade. Aquele que trouxesse o presente mais extraordinário, receberia a mão de sua filha.
Os três partiram e combinaram de se reunir um ano depois. Porém, por mais que procurasse, nenhum deles encontrou algo que satisfizesse a exigência do pai da moça. Assim, depois de um ano, os três com as mãos vazias, dirigiram-se ao local onde haviam combinado o encontro.
O primeiro que chegou, sentou-se para aguardar os outros dois. Enquanto esperava, um velhinho se aproximou e perguntou-lhe se não gostaria de comprar um pequeno espelho.
O rapaz examinou o espelho e respondeu que não via razão para compra-lo.
O velhinho então explicou que o espelho tinha um dom: quem nele se mirasse poderia ver qualquer pessoa que quisesse. Bastaria formular esse desejo, com todo o coração.
O rapaz resolveu fazer um teste. E ao constatar que o velhinho dizia a verdade, comprou o espelho sem discutir o preço.
O segundo pretendente, ao aproximar-se do local do encontro, foi abordado pelo mesmo velhinho, que lhe perguntou se não gostaria de comprar um pequeno frasco de bálsamo.
- Para que vou querer um bálsamo, meu velho, se percorri boa parte do mundo e não encontrei o que buscava?
O velhinho sorriu:
- Ah, mas este aqui tem o poder de ressuscitar os mortos.
Naquele momento, passava por ali um cortejo fúnebre. Sem pensar duas vezes, o rapaz pediu que abrissem o caixão e deixou cair algumas gotas do bálsamo na boca do morto que no mesmo instante se levantou e convidou a todos para almoçar em sua casa. Diante disso, o rapaz comprou o frasco sem regatear no preço.
Não muito longe dali, o terceiro pretendente caminhava à beira-mar, meditando, convencido de que os outros haviam encontrado algo raro e precioso, enquanto ele nada conseguira. De repente avistou um grande barco que atracava no porto. Dele desceram muitas pessoas e dentre elas um velhinho que se aproximou e perguntou-lhe se não gostaria de comprar aquele barco.
- E para que vou querer isso? - disse o rapaz. - Este barco está tão velho, que daqui a algum tempo só servirá para lenha.
- Você está enganado, meu rapaz - disse o velhinho. - Este barco possui um dom: o de levar seu dono e aqueles que o acompanham, a qualquer lugar no mundo em muito pouco tempo.  Se duvida, pergunte a esses passageiros que vieram comigo.
O rapaz conversou com os passageiros e concluiu que isso era verdade. Então, comprou o barco pelo preço que o velhinho propôs.
Por fim, os três pretendentes se reuniram no local do encontro, muito satisfeitos. O primeiro contou que havia comprado um espelho, no qual seu dono poderia ver quem desejasse. Para provar que falava a verdade, mirou-se no espelho enquanto pedia, de coração, para ver a moça por quem os três estavam apaixonados.
Surgiu no cristal do espelho a imagem da moça, morta num caixão, deixando os três sem fala por alguns instantes.
Por fim, o segundo pretendente quebrou o silêncio:
- Trago um bálsamo capaz de ressuscitar os mortos. Mas até chegarmos à casa da nossa querida, ela já terá sido enterrada.
- Acalmem-se - disse o terceiro pretendente. - A circunstância não é tão ruim quanto parece.
Diante do olhar de espanto dos outros dois, explicou:
- Por sorte acabei de comprar um barco que em pouquíssimo tempo nos levará até nossa amada.
Os três correram para a embarcação e, de fato, em apenas alguns minutos chegaram ao porto do povoado. Então foram até a casa da moça, onde tudo já estava  pronto para o enterro. O pai, desolado, relutava em dar a ordem final para a saída do cortejo rumo ao cemitério.
Os três rapazes se aproximaram do caixão. Aquele que tinha o bálsamo derramou algumas gotas na boca da moça. Assim que que o bálsamo tocou-lhe os lábios, ela se levantou, saudável e radiante.
Todos ficaram maravilhados com a atitude do jovem pretendente. Ainda naquele dia, o pai decidiu que era ele quem deveria se casar com sua filha. Mas os outros dois protestaram:
- Se não fosse meu espelho, jamais saberíamos o que havia acontecido. E a esta hora minha amada já estaria a caminho do campo santo - disse um dos pretendentes.
- Pois se não fosse meu barco, que nos transportou até aqui em poucos minutos, nem o espelho nem o bálsamo teriam podido trazer minha amada de volta - disse o outro.
- Vocês têm razão - o pai da moça reconheceu. Muito confuso e desgostoso, pôs-se de novo a meditar sobre qual seria a melhor solução para aquele problema.
Tocando-lhe o ombro, a filha disse, com serena convicção:
- Agora o senhor entende, papai, porque eu precisava dos três para viver?
 

 Este é um conto popular espanhol baseado no livro Cuentos Populares Españholes, de José María Guelbenzu, traduzido por Yara Maria Camillo que selecionou outros trinta e um contos e editou o livro em língua portuguesa, com o mesmo nome, Contos Populares Espanhóis, São Paulo 2005, Landy.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

História - DONA BARATINHA

Era uma vez uma baratinha que estava varrendo a casa e encontrou uma moeda. Achou que estava rica e já podia se casar. Arrumou-se toda, colocou uma fita no cabelo e foi para a janela. A quem pass ava ela perguntava: - Quem quer casar com a Dona Baratinha que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha? O primeiro bicho que passou foi o boi, que respondeu: - EU QUERO! Dona Baratinha perguntou: - E como é que você faz de noite? O boi respondeu: - MUUUUUUUU! Ela disse: - Ai não, muito barulho, assim eu não durmo, pode ir embora. E o boi foi embora. Em seguida veio passando o cavalo e Dona Baratinha perguntou: - Quem quer casar com Dona Baratinha que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha? O cavalo respondeu: - EU QUERO! Dona Baratinha perguntou: - E como é que você faz de noite? O cavalo respondeu: - IIIIIIIRRRRRIIIIII! Ela disse: - Ai não, muito barulho, assim eu não durmo, pode ir embora. E o cavalo foi embora. Foi passando então o carneiro e Dona Baratinha

História - RAPUNZEL- Irmãos Grimm

Era uma vez um casal que desejava muito ter um filho. O tempo passava e mesmo após anos estando juntos a mulher não engravidava. Até que um dia ela ficou muito feliz ao notar que estava tendo estranhos e diferentes desejos. Finalmente estava esperando um bebê! O marido passou a receber pedidos no meio da madrugada e sempre os atendia, até o dia em que a mulher pediu para comer rapunzel. Naquele lugar onde moravam, as pessoas plantavam hortas em casa e havia uma verdura difícil de ser cultivada, chamada rapunzel. A única horta onde era possível encontrar rapunzel era na casa de uma vizinha do casal, uma mulher muito mau encarada, misteriosa, que só saia de noite. Todos diziam que ela era uma bruxa. A mulher viu a horta da bruxa pela sua pequena janela e desde então só pensava em comer rapunzel. Quando o marido ouviu o pedido da esposa, respondeu que seria melhor ela ter outro desejo, porque este ele não podia atender. Pedir a verdura para aquela bruxa era muito perigoso.

História - ASTÚCIAS DO JABUTI

No tempo em que os animais falavam, estava um dia o jabuti limpando tranquilamente sua flauta. A onça saiu à caça e ia andando bem devagar ... uma pata aqui, outra ali ...  O vento trouxe um cheiro de capivara. A onça ergueu o nariz... - Huuummm... Hummmm... - mas logo o vento passou e levou embora o cheiro bom de caça. Ela continuou caminhando. De repente ouviu: - Fim... Fim... finfinfim... A onça parou . Ergueu as orelhas... "Que será isso? Parece que alguém está tocando flauta..." A seguir, ouviu cantar: - Do osso da onça fiz minha flauta... Fim..Fim... finfinfim... Quem se atreveria a cantar daquela maneira? Era provocação! A onça foi à procura de quem cantava e alguns metros adiante deu com o jabuti tocando uma flauta de osso: - Fim... Fim... finfinfim... Para não assustar o jabuti, a onça aproximou-se mansamente e falou: - Como você toca bem! Como era mesmo a letra da cantiga? O jabuti percebeu que a onça ouvira as palavras da música e só que

A Festa no céu

Num tempo em que os animais falavam, correu uma notícia entre os bichos de que ia acontecer uma Festa no Céu! Toda a bicharada ficou animada! Festa!? Oba! Que beleza! E no céu ainda! Ah! Todos queriam ir é claro! Mas, no meio daquele falatório todo, apareceu um beija-flor com uma novidade: - Só poderia ir na festa, bicho que soubesse voar! - O quê? - falou o macaco - Como assim? - resmungou a raposa E todos os que não sabiam voar ficaram muito zangados e chateados... Menos o sapo. É que o sapo já tinha tido uma bela idéia para conseguir chegar à festa: O urubu era o músico do pedaço. Não sabia cantar mas tocava uma viola como ninguém! Pois bem, no dia da festa, o sapo, aproveitando um momento de distração do urubu, entrou pelo buraco e se escondeu dentro da sua viola. O urubu passou a mão na viola e foi voando pra tão esperada noite! Chegando lá, colocou a viola num canto e foi cumprimentar os amigos, tomar uma bebida antes de começar a tocar. Nesta ho

História - O URUBU E A RAPOSA

O Urubu estava no ar, peneirando, e avistou uma carniça de boi. Imediatamente, desceu e começou a saborear aquele petisco delicioso. No mesmo instante, desabou uma pesada chuva que deixou o urubu todo ensopado, e com as asas encharcadas, não podia mais voar. A raposa, que estava por ali à espreita, aproximou-se dele dizendo: - Amigo urubu, vou lhe comer! Vendo-se perdido, o urubu tinha de ser mais esperto que a raposa. Então, fez a seguinte proposta: - Amiga raposa, você não sabe que urubu molhado faz mal? Você tem que me soprar até me deixar sequinho; só então poderá me comer. A raposa acreditou! E começou a soprar as penas do urubu; e soprou e soprou por mais de uma hora. Quando parava para recuperar o fôlego, perguntava: - Já está seco, compadre urubu? - Ainda não, amiga raposa. Sopre mais um pouco. A raposa recomeçou a soprar, sempre repetindo a mesma pergunta e ouvindo a mesma resposta. Quando o urubu pressentiu que poderia escapar, correu começou a bate