Pular para o conteúdo principal

História - ASTÚCIAS DO JABUTI

No tempo em que os animais falavam, estava um dia o jabuti limpando tranquilamente sua flauta.
A onça saiu à caça e ia andando bem devagar... uma pata aqui, outra ali...  O vento trouxe um cheiro de capivara. A onça ergueu o nariz... - Huuummm... Hummmm... - mas logo o vento passou e levou embora o cheiro bom de caça. Ela continuou caminhando.
De repente ouviu:
- Fim... Fim... finfinfim...
A onça parou. Ergueu as orelhas... "Que será isso? Parece que alguém está tocando flauta..." A seguir, ouviu cantar:
- Do osso da onça fiz minha flauta... Fim..Fim... finfinfim...
Quem se atreveria a cantar daquela maneira? Era provocação!
A onça foi à procura de quem cantava e alguns metros adiante deu com o jabuti tocando uma flauta de osso:
- Fim... Fim... finfinfim...
Para não assustar o jabuti, a onça aproximou-se mansamente e falou:
- Como você toca bem! Como era mesmo a letra da cantiga?
O jabuti percebeu que a onça ouvira as palavras da música e só queria ouvir outra vez para ter pé de briga. Respondeu:
- Eu cantava assim: "do osso do veado eu fiz a minha flauta..."
A onça ficou em dúvida:
- Hã! Parece que ainda agora ouvi outra coisa...
O jabuti negou:
- Não pode ser! Eu cantava isso mesmo. Você estava longe, não ouviu bem. Agora você está muito perto e a música não fica bonita. Fique aí que eu vou me afastar um pouco e você vai ouvir muito melhor!
Com essas palavras, o jabuti aproximou-se da entrada de sua toca. Achando-se a salvo, cantou:
- Do osso da onça fiz minha flauta! Fim... Fim... finfinfim...
Mal a onça ouviu a cantiga do jabuti, atirou-se num salto sobre ele. O jabuti meteu-se depressa na toca. A onça enfiou a mão na toca e agarrou a perna do jabuti. Ao sentir-se apanhado, o jabuti deu uma gargalhada e como se falasse com alguém, gritou:
- Ha! Ha! Olha só a boba da onça! Agarrou por engano uma raiz de árvore, pensando que fosse minha perna! Ha! Ha!
A onça, pensando mesmo que tivesse agarrado a raiz de uma árvore, e não querendo mais servir de motivo de chacota, largou a perna do jabuti.
Este, ria a não mais poder. Que gosto lhe dava ter enganado a onça, que metia medo em todos os animais da floresta.
Não se conteve e falou:
- Olha, boba, você tinha mesmo agarrado a minha perna; não era a raiz não! Era a minha perna mesmo. Ha! Ha!
A onça, do lado de fora, urrava de tanta raiva.
- Huuummmm, agora só quero PEGAR O JABUTI!
Ficou à espera da saída do jabuti. Este, quieto, quieto, encolheu-se na carapaça e dormiu. A onça esperava, esperava... Só queria se vingar. A onça estava com fome.
- Daqui não saio: só depois que pegar o jabuti.
A onça foi ficando magra; quando quis ir embora não podia mais andar de tanta fraqueza.
Caiu e ficou ali mesmo. Morreu.
Tempos depois, o jabuti saiu da toca, pegou um osso da perna da onça e fez uma flauta.
Tocou até tarde da noite: - Fim.. Fim.. finfinfim... do osso da onça fiz minha flauta...

Este é um divertido e inteligente conto indígena, do livro "Contos e Lendas de Índios do Brasil" de Antonieta Dias de Moraes. Ao contarmos esta história para alguém, estaremos contribuindo para a continuidade de toda esta sabedoria! Em nossa experiência, tanto adultos quanto crianças se divertem com ela.

Comentários

Postar um comentário

Agradecemos seu comentário. Após moderação será publicado.

Postagens mais visitadas deste blog

História - DONA BARATINHA

Era uma vez uma baratinha que estava varrendo a casa e encontrou uma moeda. Achou que estava rica e já podia se casar. Arrumou-se toda, colocou uma fita no cabelo e foi para a janela. A quem pass ava ela perguntava: - Quem quer casar com a Dona Baratinha que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha? O primeiro bicho que passou foi o boi, que respondeu: - EU QUERO! Dona Baratinha perguntou: - E como é que você faz de noite? O boi respondeu: - MUUUUUUUU! Ela disse: - Ai não, muito barulho, assim eu não durmo, pode ir embora. E o boi foi embora. Em seguida veio passando o cavalo e Dona Baratinha perguntou: - Quem quer casar com Dona Baratinha que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha? O cavalo respondeu: - EU QUERO! Dona Baratinha perguntou: - E como é que você faz de noite? O cavalo respondeu: - IIIIIIIRRRRRIIIIII! Ela disse: - Ai não, muito barulho, assim eu não durmo, pode ir embora. E o cavalo foi embora. Foi passando então o carneiro e Dona Baratinha

Um presente para o rei

Era uma vez, um rei muito temperamental e insatisfeito. Possuía muitas riquezas e tinha como rainha uma bela esposa que o amava de verdade. Mas, mesmo nos dias mais ensolarados e belos, ele se quedava triste ou aborrecido. Irritava-se por pouco, até mesmo com o grito de uma ave ou uma nuvem mais escura no céu. Os mais belos presentes, de todas as partes do mundo eram trazidos a ele, mas nenhum deles o alegrava. Artistas de todas as artes como mímicos, palhaços, dançarinos e poetas eram convidados para entretê-lo, mas nada o satisfazia. Ninguém no reino sabia o que fazer para agrada-lo. Era muito raro, mas acontecia: algumas manhãs ele acordava se sentindo bem, disposto e alegre, mas logo este estado de ânimo desaparecia, e o rei voltava a cair na mais profunda melancolia. Assim, o que mais ele desejava era algo que o fizesse feliz ou em paz para sempre. Como fixar aqueles poucos momentos de felicidade que às vezes sentia, de modo que nunca passassem? O rei então jun

História - O URUBU E A RAPOSA

O Urubu estava no ar, peneirando, e avistou uma carniça de boi. Imediatamente, desceu e começou a saborear aquele petisco delicioso. No mesmo instante, desabou uma pesada chuva que deixou o urubu todo ensopado, e com as asas encharcadas, não podia mais voar. A raposa, que estava por ali à espreita, aproximou-se dele dizendo: - Amigo urubu, vou lhe comer! Vendo-se perdido, o urubu tinha de ser mais esperto que a raposa. Então, fez a seguinte proposta: - Amiga raposa, você não sabe que urubu molhado faz mal? Você tem que me soprar até me deixar sequinho; só então poderá me comer. A raposa acreditou! E começou a soprar as penas do urubu; e soprou e soprou por mais de uma hora. Quando parava para recuperar o fôlego, perguntava: - Já está seco, compadre urubu? - Ainda não, amiga raposa. Sopre mais um pouco. A raposa recomeçou a soprar, sempre repetindo a mesma pergunta e ouvindo a mesma resposta. Quando o urubu pressentiu que poderia escapar, correu começou a bate

A Festa no céu

Num tempo em que os animais falavam, correu uma notícia entre os bichos de que ia acontecer uma Festa no Céu! Toda a bicharada ficou animada! Festa!? Oba! Que beleza! E no céu ainda! Ah! Todos queriam ir é claro! Mas, no meio daquele falatório todo, apareceu um beija-flor com uma novidade: - Só poderia ir na festa, bicho que soubesse voar! - O quê? - falou o macaco - Como assim? - resmungou a raposa E todos os que não sabiam voar ficaram muito zangados e chateados... Menos o sapo. É que o sapo já tinha tido uma bela idéia para conseguir chegar à festa: O urubu era o músico do pedaço. Não sabia cantar mas tocava uma viola como ninguém! Pois bem, no dia da festa, o sapo, aproveitando um momento de distração do urubu, entrou pelo buraco e se escondeu dentro da sua viola. O urubu passou a mão na viola e foi voando pra tão esperada noite! Chegando lá, colocou a viola num canto e foi cumprimentar os amigos, tomar uma bebida antes de começar a tocar. Nesta ho