Pular para o conteúdo principal

História - O PREÇO DA INVEJA

Uma mulher vendia queijos na feira quando um gato se aproximou e roubou um dos queijos. Um cão viu o gato e tentou tirar o queijo dele. O gato enfrentou o cão e eles começaram a brigar. O cão latia, rosnava e avançava. O gato miava e arranhava, mas nenhum dos dois conseguia ganhar a briga.
Foi então que apareceu a raposa e vendo a briga ofereceu-se para ajudar. O gato disse que ela podia ser o juiz e contou-lhe o caso.
A raposa propôs uma solução: que dividissem o queijo ao meio, assim, não precisariam brigar mais e ambos sairiam satisfeitos por comer.
Aceitaram a proposta.
A raposa então pegou uma faca e cortou o queijo ao meio. Mas ao olhar sua parte, o cão reclamou que seu pedaço estava menor.
Ela, após analisar cuidadosamente disse:
Você tem toda razão!
E para resolver o problema, deu uma mordida na metade do gato e disse que assim, os dois pedaços ficariam iguais!
Mas desta vez, foi o gato que reclamou, afirmando que seu pedaço havia ficado menor que o do cachorro.
A raposa colocou os óculos... analisou criteriosamente e exclamou:
- Você tem toda razão! Mas num instante eu conserto isso.
E mordeu o pedaço de queijo do cachorro!
A coisa continuou por tanto tempo, ora o gato reclamando, ora o cão protestando, ora a raposa mordendo o queijo de um, ora de outro, que ela terminou por c o m e r  
t o d o  o  queijo, bem diante dos olhos dos dois invejosos!
 
Esta é uma história da tradição judaica que conheci através do livro "O ofício do contador de histórias", de Gislayne Avelar e Inno Sorsy.
Por ser bem curtinha, é muito fácil de memorizar e se contada com humor, principalmente no final, agrada muito as crianças.
 

Comentários

Postar um comentário

Agradecemos seu comentário. Após moderação será publicado.

Postagens mais visitadas deste blog

História - DONA BARATINHA

Era uma vez uma baratinha que estava varrendo a casa e encontrou uma moeda. Achou que estava rica e já podia se casar. Arrumou-se toda, colocou uma fita no cabelo e foi para a janela. A quem pass ava ela perguntava: - Quem quer casar com a Dona Baratinha que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha? O primeiro bicho que passou foi o boi, que respondeu: - EU QUERO! Dona Baratinha perguntou: - E como é que você faz de noite? O boi respondeu: - MUUUUUUUU! Ela disse: - Ai não, muito barulho, assim eu não durmo, pode ir embora. E o boi foi embora. Em seguida veio passando o cavalo e Dona Baratinha perguntou: - Quem quer casar com Dona Baratinha que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha? O cavalo respondeu: - EU QUERO! Dona Baratinha perguntou: - E como é que você faz de noite? O cavalo respondeu: - IIIIIIIRRRRRIIIIII! Ela disse: - Ai não, muito barulho, assim eu não durmo, pode ir embora. E o cavalo foi embora. Foi passando então o carneiro e Dona Baratinha

Um presente para o rei

Era uma vez, um rei muito temperamental e insatisfeito. Possuía muitas riquezas e tinha como rainha uma bela esposa que o amava de verdade. Mas, mesmo nos dias mais ensolarados e belos, ele se quedava triste ou aborrecido. Irritava-se por pouco, até mesmo com o grito de uma ave ou uma nuvem mais escura no céu. Os mais belos presentes, de todas as partes do mundo eram trazidos a ele, mas nenhum deles o alegrava. Artistas de todas as artes como mímicos, palhaços, dançarinos e poetas eram convidados para entretê-lo, mas nada o satisfazia. Ninguém no reino sabia o que fazer para agrada-lo. Era muito raro, mas acontecia: algumas manhãs ele acordava se sentindo bem, disposto e alegre, mas logo este estado de ânimo desaparecia, e o rei voltava a cair na mais profunda melancolia. Assim, o que mais ele desejava era algo que o fizesse feliz ou em paz para sempre. Como fixar aqueles poucos momentos de felicidade que às vezes sentia, de modo que nunca passassem? O rei então jun

História - O URUBU E A RAPOSA

O Urubu estava no ar, peneirando, e avistou uma carniça de boi. Imediatamente, desceu e começou a saborear aquele petisco delicioso. No mesmo instante, desabou uma pesada chuva que deixou o urubu todo ensopado, e com as asas encharcadas, não podia mais voar. A raposa, que estava por ali à espreita, aproximou-se dele dizendo: - Amigo urubu, vou lhe comer! Vendo-se perdido, o urubu tinha de ser mais esperto que a raposa. Então, fez a seguinte proposta: - Amiga raposa, você não sabe que urubu molhado faz mal? Você tem que me soprar até me deixar sequinho; só então poderá me comer. A raposa acreditou! E começou a soprar as penas do urubu; e soprou e soprou por mais de uma hora. Quando parava para recuperar o fôlego, perguntava: - Já está seco, compadre urubu? - Ainda não, amiga raposa. Sopre mais um pouco. A raposa recomeçou a soprar, sempre repetindo a mesma pergunta e ouvindo a mesma resposta. Quando o urubu pressentiu que poderia escapar, correu começou a bate

A Festa no céu

Num tempo em que os animais falavam, correu uma notícia entre os bichos de que ia acontecer uma Festa no Céu! Toda a bicharada ficou animada! Festa!? Oba! Que beleza! E no céu ainda! Ah! Todos queriam ir é claro! Mas, no meio daquele falatório todo, apareceu um beija-flor com uma novidade: - Só poderia ir na festa, bicho que soubesse voar! - O quê? - falou o macaco - Como assim? - resmungou a raposa E todos os que não sabiam voar ficaram muito zangados e chateados... Menos o sapo. É que o sapo já tinha tido uma bela idéia para conseguir chegar à festa: O urubu era o músico do pedaço. Não sabia cantar mas tocava uma viola como ninguém! Pois bem, no dia da festa, o sapo, aproveitando um momento de distração do urubu, entrou pelo buraco e se escondeu dentro da sua viola. O urubu passou a mão na viola e foi voando pra tão esperada noite! Chegando lá, colocou a viola num canto e foi cumprimentar os amigos, tomar uma bebida antes de começar a tocar. Nesta ho